Cress/MT participou de Seminário regional que debateu os fundamentos do Serviço Social

O evento reuniu profissionais, docentes e estudantes de Serviço Social do Centro-Oeste

O Conselho Regional de Serviço Social 20ª Região (Cress/MT) participou nesta quarta-feira (23.10), do “I Seminário Regional de Fundamentos do Serviço Social e os Desafios da Pesquisa na Atualidade”. O evento, que reuniu profissionais, docentes e estudantes de Serviço Social do Centro-Oeste, aconteceu na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá.

Um dos pontos debatidos no encontro foram as “Diretrizes curriculares e os fundamentos para a formação em Serviço Social”. Segundo a professora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Luciana Cantalice, devido o avanço do conservadorismo é preciso reafirmar a necessidade de manter uma direção crítica para a profissão tanto do ponto de vista da formação quanto do trabalho profissional.

“Em uma conjuntura conservadora a tendência é que a formação e o trabalho profissional sejam impactados, não só do Serviço Social, mas de todas as áreas. E a gente já encontra em determinados espaços, tanto da formação quanto do trabalho, a defesa de que as diretrizes devem ser revistas, reconfiguradas”, disse.

Cantalice afirmou ainda que uma direção conservadora traria muitos prejuízos para os/as usuários do Serviço Sociais. “O conservadorismo busca alinhar, ajustar os indivíduos a realidade. Isso significa o aumento da resiliência, a conformação, o falso consenso. Contrário a perspectiva critica do/a assistente social que busca a emancipação política, a radicalização dos direitos, a participação do usuário na instituição e de recursos para políticas sociais”.

E para resistir essa onde é preciso se alinhar com as outras profissões para que isso não ganhe força no Serviço Social. “E dentro da profissão diálogos como esse são importantes. Afinal sair de uma profissão crítica para uma conservadora, seria um retrocesso”, finalizou.

Para a estudante de Serviço Social da UFMT e membro da comunicação da Executiva Nacional de Estudantes de Serviço Social (ENESSO), Julia Spigolon, eventos como esse que abrem um diálogo sobre a atual conjuntura são necessários. “Principalmente em um momento que passamos por cortes na UFMT, ter esse encontro que reúne profissionais, docentes e estudantes, é uma oportunidade de debater e combater esse avanço do conservadorismo. E a participação de estudantes do interior e de outros Estados ajuda para que mais pessoas sejam atingidas”, ressaltou.

Mesmo pensamento do vice-presidente da Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social (ABEPSS) e docente da UFMT, Josiley Carrijo Rafael. “A conjuntura não é favorável, os retrocessos só crescem. E o evento vem na direção de resistir esse processo de desconstrução. E a nossa ideia foi de articular as escolas de Serviço Social do Centro-Oeste, UFMT, UFG, UNB, Univag, Unic, para realizarem uma troca sobre coma a formação de qualidade se articula ou não. E quais são as possibilidades de melhorar esse movimento. E amanhã iniciaremos a Oficina Regional da ABEPSS Centro Oeste para aprofundar mais ainda no debate e para construir apontamentos para serem levados a oficina nacional”, finalizou.

Oficina

Cuiabá recebe ainda nesta quinta e sexta-feira (24 e 25.10), a “Oficina Regional da ABEPSS Centro Oeste” e de forma articulada no dia 25 acontecerá ainda o “Fórum Regional de Supervisão de Estágio em Serviço Social”. Os eventos também serão realizados das 8h30 às 18h, no auditório do ICHS da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá.


publicado 23/10/2019 18:48 notícia